Rosário...

Meu corpo, um rosário de prazeres,
que espero que até morreres,
o rezes vezes sem conta,
sempre que a vontade desponta,
a fé do amor a crescer...

As peles em oração,
sacrificam a razão,
na redenção do pecado,
que da alma foi excomungado,
sem nunca se absolver...

Nosso quarto é a basílica,
onde a paixão suplica,
pela bênção dos corpos,
que caiem que nem tordos,
no altar da cama a arder...

Este desejo divinal,
é o pecado original,
que condenou a humanidade,
e que com a maior vaidade,
gostamos de refazer...

Se isso nos conduzir ao inferno,
que seja pois eterno,
o caminho a seguir,
abraçados ao amor,
pelas mãos do criador,
havemos de conseguir,
do fogo fazer abrigo,
do diabo um amigo,
faze-lo até pedir,
que o ensinemos a amar,
porque se isso é pecar,
vai querer evoluir...

Ártemis

Género: 
Você votou 'Gosto'.

Comentários

UM POEMA SINCERO DE AMOR E DE PAIXÃO Á VERDADE. O LUGAR EM QUE SE ESCREVA A NOSSA TALHA E FEITIO.

VER É UM ASSUNTO SINCERO E VOU VER O DIABO A RESPONDER UM DIA E PORTANTO DESEJAR A SUA FORMA DE NORMAL DEVIDO A TUDO O QUE LEIO. UM BOM VERBO.

ABRAÇO PARA SI E UM BOM TEMPO DE FIM DE SEMANA.

AMANDU

Amandu meu amigo,

mais uma vez sou grata pelas palavras que aqui deixa...são sementes que a seu tempo virarão flores.

Um abraço sincero e bem haja...

Ártemis

Adorei teu poema. Ardente e apaixonante! 

 

Parabéns Poetisa.

Rhodys, quando os poemas são lidos com alma, todos se tornam apaixonantes, é o deslizar dos olhos pelas letras que lhes dão vida, claro que nem todos os olhares tem esse poder, só os que tem sensibilidade.

Obrigada por me leres com esses olhos.

Ártemis

Poesia muito original e muito bacana. 

Marcos, o que nos sai da alma é sempre original...e é o que faço, estendo a minha alma sobre as letras que generosamente das minhas mãos saiem!

obrigada

abraço

Ártemis