Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

SEGUNDO PSALMO DE DAVID

    Porque anda o mundo todo enfurecido,
    Se esforços contra Deus são todos vãos?
    Os grandes, mais os reis, deram as mãos
    Contra o Senhor, contra o seu Ungido,

    --Estas correntes, é despedaçal-as,
    Este jugo atirar com elle fóra!
    E lá cima no céo, o que lá mora
    Não faz mais que sorrir-se de taes fallas.

    Mas em lhe dando a ira, aonde então
    Se hão-de metter, com medo, os desgraçados!
    Coroou-me rei no alto de Sião,
    Cumpre-me publicar os seus mandados.

    «Tu és meu filho; disse-me o Senhor:
    Gerei-te hoje; pedir com confiança!
    Verás o mundo todo ao teu dispôr,
    Terras e povos, como propria herança.

    «Vara de ferro para os ir guiando,
    E fazel-os guardar-te obediencia;
    E elles de barro mal cozido e brando
    Que os partas em te oppondo resistencia.»

    Agora pois vós outros, reis, juizes,
    Reparai no que eu digo, e vêde lá;
    Servi a Deus, e dai-vos por felizes
    Cumprindo á risca as ordens que elle dá.

    Tomai os meus conselhos; ou, senão,
    Tende já como certa a perdição.
    Que em se elle irando, é como um raio; aquelle
    Que o despreza e não crê, infeliz d'elle!

Messines.

Género: