Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Poema escrito para as enfermeiras de todo mundo

Prometi este poema,

 

Cansaste-te de esperar

Até que chegou o dia

De ele ás tuas mãos chegar.

 

Foste bebé, foste criança,

Hoje és uma mulher,

Tens uma grande missão para cumprir

Até quando Deus quiser.

 

Missão de Ajudar,

Missão de socorrer;

Quantas vezes nos teus braços

Vês o teu próximo morrer!

 

Nada podes fazer

Porque chegou aquela hora

Em que Jesus o chamou

Com pressa e sem demora.

 

Ficas triste por não poderes

Aliviar o sofrimento

Àqueles que vês sofrer

Em cada hora e momento.

 

Aos que sofrem noite e dia

Dás-lhes coragem e amor;

Deus te deu essa missão

Para a cumprir com fervor.

 

Diz a todos que sofrem

Que Jesus também sofreu por nós,

Que Lhe ofereçam o seu sofrimento

Com amor e alta voz.

 

Agradece também a Deus

Por Ele te dar esse condão

De tratares aqueles que sofrem

Oferece a tua alma, esse tão valioso brasão.

 

Brasão que para sempre

Vai ficar gravado na tua alma;

Faz tudo com amor e calma

Porque Deus tudo está a ver,

Todo o bem que tu estás a fazer.

Um dia quando entrares no céu

Coberta com um lindo véu

Então aí tu vais ver,

A alegria que vais ter

Quando chegar esse tão lindo dia.

 

O dinheiro que tu ganhas,

Que seja como as flores,

Que traga como perfume

O alívio de muitas dores.

 

Afasta-te sempre do joio,

Põe o trigo no teu coração

Para que um dia tenhas de Deus

Das tuas faltas perdão.

 

Que Deus não trás no coração

Do joio não consegue se separar

Porque não teve Deus nem o Amor

Por isso vive a vida terrena

Sempre a pecar.

 

A tua bata é branquinha,

É da cor da pureza,

Quantas vezes fica ensanguentada

E tu ficas cheia de tristeza.

 

Nos teus delicados pés

Calças o teu sapatinho branco,

Na cabeça o chapéuzinho

Que te dá beleza e tanto encanto.

 

Andas para trás e para a frente

No hospital vês tanta gente

Que de ti vai precisar,

Para os cozeres e bem tratar

Porque na estrada os seus carros os puseram a sangrar.

Este poema é para as enfermeiras Autora Maria Carmo.

Género: 
Declamador: