Respiro-te…

 

Respiro-te…

Saí para a rua
para respirar a lua
mergulhei na boca da noite
pensando mergulhar na tua...

Corri sem direção
porque o amor não tem morada
vive aqui e além
vive de tudo e de nada...

Cobre-se apenas de sonhos
do frio que a saudade traz
concede ao peito, esperança
porque sabe do que é capaz...

A força que o alimenta
resume-se ao querer
quem quer muito e ama
não consegue nunca esquecer...

Se porventura a memoria trair
encontro no corpo a razão
deste desassossego da alma
deste amor sem conclusão...

Ártemis

 
Género: 
Declamador: 
Você votou 'Gosto'.

Comentários

certamente quem ler-te por uma vez  quererá ler-te sempre. És linda e lindos são os teus poemas!!!

És muito generoso para comigo e para com a minha escrita.

Abraço

Ártemis