Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Desilusão

Erro

Nunca serei totalmente teu,
porque nunca serei totalmente meu...

Sou um erro, e errando me evito:
evitando-me nunca serei meu...

Sou um Sonho, profeta, Louco, Vidente, Fantasma, Santo, Anjo, Promessa, Porvir...
Sou o que quiserem ver em mim...

Não tenho família,
Sou em estrangeiro entre os meus...

Nunca serei totalmente meu
e nunca serei totalmente teu...

Estou no Futuro ou no passado,
à frente ou atrás...
Estou onde me quiserem ver...

Perdi os Meus Fantásticos Castelos

Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Canção da Torre Mais Alta

Juventude presa
A tudo oprimida
Por delicadeza
Eu perdi a vida.
Ah! Que o tempo venha
Em que a alma se empenha.

Eu me disse: cessa,
Que ninguém te veja:
E sem a promessa
De algum bem que seja.
A ti só aspiro
Augusto retiro.

Tamanha paciência
Não me hei de esquecer.
Temor e dolência,
Aos céus fiz erguer.
E esta sede estranha
A ofuscar-me a entranha.

Pages