Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Como uma folha ao Vento

 

 

 


 
Não houve um amanhã,

nem nunca haverá.

Eu deixei de existir para você

e você partiu sem se despedir.

Nem sei o que eu fui,

nem o que deixer de ser,

o certo é que fiquei sem te ver

e me deixastes ao anoitecer,

quando ainda esperava por você,

e nas tuas palavras

eu ainda acreditava.

Como uma folha ao vento,

você sem documento,

nada pudestes fazer.

E assim, sem mais nem menos,

sem me dizer ao menos

porque viestes me conhecer,

deixastes uma lacuna

ainda por preencher.

Não sei se devo esquecer

ou se devo permanecer,

com a tua recordação

ainda no meu coração a sofrer,

ou se devo apagar da lembrança

essa triste esperança,

que só me fez perceber,

o quanto é frágil o amanhecer.
 
 
 
 
Débora Benvenuti
Género: