MENDIGO DA ALMA

MENDIGO DA ALMA

Velho de olhar triste, pobre e vagabundo
Tens por companheira a miséria dominante
Viajante de alma e mendigo neste mundo
Que em delírio beijas o pó, murmurante.

Onde os dias e as noites passam sem ter pressa
Onde nada é diferente e tudo te parece igual
Até o dormir, no canto escuro de qualquer travessa
No chão de pedra enganas o frio num leito de jornal.

Mora próximo a demência, que cultiva esse fadário
Nessa alma adormecida, em que a sorte é a morte
Que num ato de amor, termina esse Calvário.

Poemas escritos de luto, marcados por almas sem amor
Inspirados na desgraça, foram buscar a poesia ao teu sangue
De trajos negros te veneram, declamando um verso à tua dor.

Género: 

Comentários

Bem dita sejas poesia que dás oportunidade de em tuas letras abrigar o rico e o pobre com a mesma grandeza.

José vou daqui de dentro do seu poema com as emoções à flor da pele...obrigada por isso!

Essas linhas tristes que hoje nos oferece são de uma beleza ímpar!

Abraço sentido

Ártemis

Cara Átemis, á um cordão tecido no tempo, enrolado nas memórias, que é comum a todos aqueles que são espontâneos e que de uma forma ou de outra, se expressam escrevendo, cantando, dançando ou declamando. Esse cordão é forjado na sensibilidade, relegando para segundas núpcias fatores materialistas, fazendo do voluntarismo a sua característica âncora.

Todavia á ricos ou remediados que trilham o caminho da vida, virando a cara para não se sentirem incomodados perante a desgraça alheia.

Ainda assim á ricos ou remediados que sentem e comovem-se perante a desgraça, tomam atitudes e agem sem chamar á colação a primeira pessoa do singular (eu fiz ou eu agi). Resume-se tudo numa chama de valores.

Cada um, é herdeiro de si mesmo, responde por si mesmo e os seus atos ficam gravados na consciência individual.

Força e um abraço solidário para si Átemis.

Muito triste é essa sorte! 

Mendigo da alma, seria-te um presente a morte!

Mas; seria melhor, se alguém estendessem  as mãos e O tirasse do chão!

Um grande abraço!

Poetisa das palavras doces, a verdadeira coragem é demonstrada pela maneira como se enfrenta a batalha da vida, no seu dia-a-dia. Mas às vezes é necessário uma mão que ajude a erguer, uns dedos que ajude a secar as lágrimas, um afague de rosto e sobretudo uma voz amiga que sussurre ao ouvido «coragem, levanta-te e segue em frente eu estou aqui atento ás tuas vacilações».

Entendo que tudo o que passamos nesta nossa caminhada, faz parte de uma aprendizagem, porque a vida não acaba num tumulo. Fosse a morte o fim da vida sem sentido seria o universo. A criação se esmaeceria e o ser pensante estaria destituído de finalidade.

Um beijo para si poetisa das palavras doces.

 

Poetisa das palavras doces! Essas são de fato palavras doces as suas!

Abraços para ti!

Bem haja! beijos!

Por vezes, quando lemos algo de alguém, temos a perceção da personagem que está por detrás da pena, daquelas linhas que foram escritas. Sentimos a amargura do momento da escrita, mas a personagem da mesma, é doce.

Qualquer situação ou vivencia gerou uma vaga salgada que bateu no seu rochedo doce, molhou os seus sentimentos originando um grito de revolta na sua alma ardente, escorrendo como água por entre o rochedo da razão. E esse momento, que flui no pensamento, é suavizado quando é passado para o papel (dor, paixão, ironia, frustração, tristeza, alegria).

Geralmente no vendaval de sentimento dos poetas e das pessoas sensíveis, á sempre um rio doce que corre para o mar de alguém. E, do que tenho lido a Madalena é uma poetisa de palavras doces. Um ribeiro manso, em constante sobressalto. Obrigado pela amizade e pelos .

Um beijo grande para si e força.

Como tu me conheces à distância? Sou assim. Gosto de ser doce, palavras doces, só assim consigo manter as pessoas perto de mim! Se fosse amarga, não teria tantas amizades; quem gosta de coisas amargas? Pode até ingerir, mas com dificuldades!

Cara amiga " poetisa das palavras doces", é a forma como eu a vejo através os seus poemas e comentários. Com essas caracteristicas é normal que esteja rodeada de pessoas amigas.

 

Gostei e muito, de: "Poetisa das palavras doces" irei guardar para  sempre esta frase!

Obrigada!

Beijos!

Muito profundo e rico este poema! Passagens como "Nessa alma adormecida, em que a sorte é a morte" traduzem bem a intesidade de vosso olhar poético sobre a questão, meus parabéns caro poeta!

Abraços,

Neo.

 

 

Caro Neooneeon, é intrisseco o compadecimento aos mendigos, que levam uma vida vegetativa, a maioria para além da fragilidade orgânica, interioriza o afastamanto da sociedade. Por vezes para além de uma sopa, um sorriso, uma fala acrescenta mais alguma coisa à triste e degradante vida da personagem.

Inependentemete da condição que cada um tem na sociedade (melhor ou pior), não deve enfermar na miopia e estender um olhar mais abrangente á sua volta. A humildade é uma virtude nobre que não convive com as situações vis.

Um araço 

Certamente meu caro amigo, sensibilizo-me bastante com esta questão, tanto que em meu 1° romance (Um Dia de Verdade) eu abordo o tema, no caso um mendingo brinca com uma criança através de um vidro de restaurante e quando o segurança do local o repele a pedido dos pais, a criança corre para os seus braços e... Bom, não dá pra contar mais que isso, rs

Forte abraço!

 

Ok. De certeza que irei ler.

Abraço

Ok. De certeza irei ler. U m abraço

Murty, que orgulho o meu em te ter como amigo. Conheço-te há muito, partilho os teus ideais, mas é na leitura dos teus poemas que eu te descobro em pleno. 

«coragem, levanta-te e segue em frente eu estou aqui atento ás tuas vacilações», sintetiza a forma solidária como entendes se deve enfrentar a vida. Estou contigo.

Parabéns, pelo teu poema.

 

 

 

Obrigado, Laurinda.

Todas as palavras sopradas pela tua boca, trazem calor nas noites frias. É um vento suave e morno que me aquece o coração.

O meu filho vai amanhã fazer a endoscopia. Vamos lá ver! 

Um beijo.

Ps. Estou com um problema no teclado do computador. Algumas letras não entram e as palavras ficam a metade (amanhã tenho que tratar do PC)

Estamos numa época (natalicia), em que o pensamento desperta um olha rmais atento para a desgraça alheia, fluindo o valor da solidariedade.

Estamos numa época natalícia, um olhar mais atento sobre a miséria alheia e um apelo á generosidade. Com pequenas gotas, surgiram oceanos. De pequenos grãos de areia, surgiram desertos. Também em termos de solidariedade a boa vontade de cada um de nós, poderá abrir alguns sorrisos, contribuindo para a diferença.

Para todos, os que visitam esta página, peço um olhar mais profundo para este poema, e que a profundiade do mesmo, seja apanágio de amor e solidariedade.

Um Santo Natal.

Eu já olhei, caro amigo esta é uma realidade.

Quantos neste momento estão nas calçadas, sujos, eu já senti na pele o que é isso!

Sou uma prova real de superação e vitória!

Obrigada por  olhar com carinho esse quadro triste!

FELIZ NATAL E UM ANO NOVO CHEIO DE SAÚDE PRA VOCÊ E OS SEUS FAMILIARES! 

"Com pequenas gotas, surgiram oceanos. De pequenos grãos de areia, surgiram desertos."

Tão belo quanto verdadeiro meu amigo, um excelente Natal pra você meu caro!
 
Abraços poéticos,
Neo.
 

Caro Neo.

Um grande abraço. Um Santo Natal para si e respetiva familia e que o ano de 2014, traga ventos favoráveis á realização dos seus projetos.

João Murty,

Cara Ana,

Não obstante, todas as opiniões assumirem importancia elevada,  face aos teus conhecimentos e como critico na matéra, fico sensibilizado com o teu parecer em relação aos meus poemas.

Obrigado pela tua mensagem (eu tenho força para aguentar), espero que os problemas de saúde do meu filho, sejam superados este ano.

Um beijinho.  

 

Esse ano 2014 O Senhor Jesus dará saúde ao seu filho!

É só crer e verás o operar de Deus!

Abraços!

A vida dele (como todas as nossas), está nas mãos de Deus.

Um beijo e que o ano de 2014 te traga tudo o que desejas.

João Murty

Obrigada! Que assim seja! Amém!

bjssss

Cara amiga,

Tenho um sobrinho em S. Paulo, é arquiteto, trabalha e estuda (está a fazer um MBA),  se tudo funcionar normalmente, este ano vou tirar férias prolongadas, descansar e com base em S. Paulo partir para conhecer um pouco do Brasil e o Chile.

Um beijo

João Murty



Certamente. Vamos falando.

Um bjs

Texto tocante, soneto que mostra, que nos remete a lembrar destes seres humanos demasiadamente abandonados. Fiz um texto também sobre estes personagens da existência, busco a empatia possível e o compreender este estado de sofrer... Também, penso ser necessário um envolvimento político e social para essas feridas serem curadas, feridas digo, estas condições desumanas. 

http://www.poesiafaclube.com/poemas/mendigo-e-andarilho-habitante-das-ruas-sem-jazigo

 

 

Boa Tarde José, Cresci na Pontinha nos Anos 80... Hoje vivo em Coimbra.

O seu poema é muito bonito, os fracos caminham ao lado dos fortes... Por vezes, muitas vezes, estou assim, sinto-me assim.... Vezes de mais. Talvez por isso escreva.

 

 Um Abraço

Miguel

Boa tarde José.

Reparei que trabalhou na Pontinha. 

Cresci na Pontinha nos anos 80/90.

O seu poema é muito bonito.

Os fracos caminham ao lado dos fortes...

Por vezes, vezes de mais também me sinto assim, talvez por isso escreva.

Um Abraço