Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Pecados da carne...absolvição da alma...

 

Vinhas com cheiro de terra nas mãos...cheiro de gente...cheiro do mundo, eu trazia comigo a fé e a esperança no olhar, mas no corpo carregava a força da natureza tapada pelas vestes.
Senti a minha vida devassada desde o momento em que te vi, eu que sempre conseguira calar os ímpetos da minha pele, sentia agora os apelos da carne romperem-me a candura.
Desejei ser desejada...quis com todas as minhas forças que pelas tuas mãos eu conhecesse o pecado...e tu foste as labaredas do meu inferno terreno.
Quebramos a coerência da humanidade e por entre saliva e suor, castigamos a carne...mas absolvemos a alma...à medida que as tuas mãos conquistavam a minha ingenuidade tu aproximavas-te do divino e eu pelo deslizar dos teus dedos tornava-me mundana.
Tua boca, soube-me a redenção...a tua língua inquieta a castigo...o céu e o inferno pareceu-me ser um só, assim como nós, quando o teu corpo do meu fez morada.
Ofereceste-me o prazer...e eu dei-te a vontade que adormecia em mim...juntamos muito mais que um momento à vida...vivemos a vida num momento.
Partiste...e eu fiquei, escondida na tua pele...levaste-me contigo sem saberes e deixaste em mim a vontade de te voltar a ter...
 

Ártemis


 
Género: 
Declamador: