Florbela Espanca

Florbela Espanca

Offline
Última vez online: 6 years 5 meses atrás
Membro desde: 19/11/2012 - 01:50
Pontos: 4

Género

Idade

Cidade

País

PT Portugal

Tipo de Membro

Sobre mim

Florbela Espanca (Vila Viçosa8 de Dezembro de 1894 —Matosinhos8 de Dezembro de 1930), batizada como Flor Bela de Alma da Conceição Espanca, foi uma poetisa portuguesa. A sua vida, de apenas trinta e seis anos, foi plena, embora tumultuosa, inquieta e cheia de sofrimentos íntimos que a autora soube transformar em poesia da mais alta qualidade, carregada de erotizaçãofeminilidade e panteísmo.

Obras literárias

 
Autora poli-facetada: escreveu poesia, contos, um diário e epístolas; traduziu vários romances e colaborou ao longo da sua vida em revistas e jornais de diversa índole, Florbela Espanca antes de tudo é poetisa. É à sua poesia, quase sempre em forma de soneto, que ela deve a fama e o reconhecimento. A temática abordada é principalmente amorosa. O que preocupa mais a autora é o amor e os ingredientes que romanticamente lhe são inerentes: solidão, tristeza, saudade, sedução, desejo e morte. A sua obra abrange também poemas de sentido patriótico, inclusive alguns em que é visível o seu patriotismo local: o soneto "No meu Alentejo" é uma glorificação da terra natal da autora.
Somente duas antologias, Livro de Mágoas (1919) e Livro de Sóror Saudade (1923), foram publicadas em vida da poetisa. Outras, Charneca em Flor (1931), Juvenília (1931) e Reliquiae (1934) saíram só após o seu falecimento. Toda a obra poética de Florbela foi reunida por Guido Battelli num volume chamado Sonetos Completos, publicado pela primeira vez em 1934. Em 1978 tinham saído 23 edições do livro.[10] As peças anteriores às primeiras publicações da poetisa foram reconstituídas por Mária Lúcia Dal Farra, que em 1994 editou o texto de Trocando Olhares.
A prosa de Florbela exprime-se através do conto (em que domina a figura do irmão da poetisa), de um diário, que antecede a sua morte, e em cartas várias. Algumas peças da sua correspondência são de natureza familiar, outras tratam de questões relacionadas com a sua produção literária, quer num sentido interrogativo quanto à sua qualidade, quer quanto a aspetos mais práticos, como a sua publicação. Nas diferentes manifestações epistolares sobressaem qualidades que nem sempre estão presentes na restante produção em prosa - naturalidade e simplicidade.[2]
António José Saraiva e Óscar Lopes na sua História da Literatura Portuguesa[10] descrevem Florbela Espanca como sonetista de "laivos anterianos"[10] e semelhante a António Nobre. Admitem que foi "uma das mais notáveis personalidades líricas isoladas, pela intensidade de um emotivo erotismo feminino, sem precedentes entre nós [portugueses], com tonalidades ora egoístas ora de uma sublimada abnegação que ainda lembra Sóror Mariana, ora de uma expansão de amor intenso e instável(…)".[10]
A obra da Florbela "precede de longe e estimula um mais recente movimento de emancipação literária da mulher, exprimindo nos seus acentos mais patéticos a imensa frustração feminina das (…) opressivas tradições patriarcais."[10]
Rolando Galvão, autor de um artigo sobre Florbela Espanca publicado na página eletrónica Vidas Lusófonas,[2] caracteriza assim a obra florbeliana:
"Como dizem vários estudiosos da sua pessoa e obra, Florbela surge desligada de preocupações de conteúdo humanista ou social. Inserida no seu mundo pequeno burguês, como evidencia nos vários retratos que de si faz ao longo dos seus escritos. Não manifesta interesse pela política ou pelos problemas sociais. Diz-se conservadora. (…) O seu egocentrismo, que não retira beleza à sua poesia, é por demais evidente para não ser referenciado praticamente por todos. Sedenta de glória, diz Henrique Lopes de Mendonça, transcrito por Carlos Sombrio.
Na sua escrita há um certo número de palavras em que insiste incessantemente. Antes de mais, o EU, presente, dir-se-á, em quase todas as peças poéticas. Largamente repetidos vocábulos reflexos da paixão: alma, amor, saudade, beijos, versos, poeta, e vários outros, e os que deles derivam. Escritos de âmbito para além dos que caracterizam essa paixão não são abundantes, particularmente na obra poética. Salvo no que se refere ao seu Alentejo. Não se coloca como observadora distante, mesmo quando tal parece, exterior a factos, ideias, acontecimentos."[2]
O autor do artigo lembra também a correspondência da poetisa com o irmão, Apeles, e com uma amiga próxima, que apenas viu em retrato. Repara que os excessos verbais da escritora são provocados pela sua imoderação para exprimir uma paixão. A sua exaltação do amor fraternal é considerada fora do comum. Galvão repara que esses limites alargados na expressão do amor, da amizade e das afeições, são na obra florbeliana uma constante.[2]

Amigos

AMANDU
admin
admin

Conteúdo do membro

Título Género
Meme de Florbela Espanca - Se penetrásse...
28/08/2013 - 15:26
Florbela Espanca
Fotografia
Leituras: 3,644
Comentários: 0
Meme de Florbela Espanca - Pena é não ha...
21/08/2013 - 00:35
Florbela Espanca
Fotografia
Leituras: 4,172
Comentários: 0
Os Meus Versos
12/12/2012 - 00:51
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 925
Comentários: 1
Árvores do Alentejo
11/12/2012 - 01:44
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 705
Comentários: 1
Quem Sabe?...
09/12/2012 - 01:43
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 665
Comentários: 0
A Minha Piedade
08/12/2012 - 01:42
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 822
Comentários: 1
Sou Eu!
07/12/2012 - 01:41
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 565
Comentários: 0
Panteísmo
06/12/2012 - 01:39
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 559
Comentários: 0
Minha Terra
04/12/2012 - 01:38
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 624
Comentários: 0
A uma Rapariga
03/12/2012 - 01:37
Florbela Espanca
Poema
Leituras: 594
Comentários: 0

Pages

Subscribe to Conteúdo do membro