Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Saudade

Mãe

Os ombros dessa velhinha

Onde ficaram sequelas

Fazem-na triste e curvada,

Com o peso que hoje suporta!

Porque está então sozinha

No parapeito da janela,

Na varanda ou na sacada,

Ou na soleira da porta?

Animem essa velhinha!

Por favor, vão ter com ela

Abracem-na! Não digam nada,

Mas façam-na sentir que importa!

 

Infância

Garotinho regou a alegria inebrie,
Afagava seu tronco em seu brincar,
O lavro do cultivo, o fértil desabrochar.
Da terra pura frutou sua ávida febre.

Febre essa que queima sua inquietude,
Quando os feixes luzentes do sol
Dão combustão ao velho farol,
girando seu mundo na erma virtude.

Seu sorriso intuía o ato mais perene
Do mais querido, a inocência tão bela
Seu oceano era uma besteira singela,
Quando chorava ainda ficava tão serene.

Saudade

Saudade que bem conheço
Saudade é cartaz de filme antigo
Filme feliz que sempre careço
Distância é inimiga inóspita
Filme triste que faz sofrer
Fica a querer no coração
Ser adereço
Amores remotos por onde ficaram ?
O grande amor que eu mereço
Saudade tem cor sem vida
Peçonha de morte lenta
E asas doentes , que pássaro lamenta
Não poder
Ao infinito do paraíso
Mais belo chegar

Saudade

Saudade vem de longe
Bem distante
A qualquer instante .
Quero ser feliz
Mas não posso ,
Pois estás longe
E bem distante .
Quero recordar o amor novamente
e nunca chorar.
Vou com toda má distancia,
O teu abraço encontrar .
Saudade nos maltrata
E nos mata de tanto esperar .
Saudade é uma barreira
Que,a qualquer instante ,
Pode encurtar
Uma ponte do amor para aliviar .
Saudade é o começo
Da última despedida ,
De olhares tristes
Do último beijo.

SaudadeII

Saudade,
Passa a vida apressa a dor
Saudade que levou o toque do
Meu amor
Que oprime o choro
Reprimiu o nosso calor!
Mas por favor,
Algum doutor
Que tenha propriedades curativas
Pois Deus não cura dor ou devolve
O tempo
Que perdemos, por más investidas
Em estradas que percorrermos
E hoje a saudade tornou as bem vivas
Caminhos perdidos
Estradas esburacadas
Por onde não queremos mais passar!
Serão sempre marcadas
E doloridas para sempre
Ficar.

DOCE LUZ

Há sempre uma doce luz no silêncio
E na dor da morte
A maior perda da vida não é a morte
É o que morre dentro de nós
É quando não vivemos
Para vencer a morte deve ter um sorriso
Quando a sua alma partir
Ninguém pode fugir da morte
Ela é o começo do caminho
Para a eternidade

Pages