Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

ESTRELA CADENTE

                                          ESTRELA CADENTE

36                                       Sou lua, sou estrelas,

                                           Que brilham no oriente,

                                             Sou estrela  erguida,

                                          Não sou estrela cadente.

 

                                              O sol está bem longe,

                                              Na minha imaginação,

                                              O sol é o maior luminar,

                                              Domina a constelação.

 

                                     Constelação são muitas estrelas,

                                    Mostrando ao universo seu brilhar,

                                    Em noites escuras são românticas,

                                             É gostoso para se amar.

 

                                           Se você contar as estrelas,

                                      Também contarás a areia do mar,

                                         Buscarei para você o infinito,

                                         E tu irás saber o que é amar!

               

Autora: Madalena Cordeiro...

Género: 

Comentários

Quero brilhar com você meu sol!

Quero ter você para sempre!

Corre, que corre Madalena! Corre nesse louco vaivém.
Não há mais estrelas no Ceu, para alegrar o teu destino
Não há vento, está bom tempo! Ele não chega….Não vem.
Por mais que corras e procuras! O teu amor está sozinho..
Corre que corre Madalena corre… Como uma estrela cadente
Esvoaçam palavras pelo universo, num poema que se fala
Nas letras de tinta escura, está ternura de um amor ausente
Corre de dia no mar e pela tarde no infinito, até que a noite estala.

Corre Madalena, corre solitária por serra, rio e vale
Porque percorres esse grande mar deserto?
O que buscas para lá dos horizontes?
Porque transpor os píncaros dos montes?
Se podes encontrar o amor mais perto!

Corre que corre Madalena! Madalena corre, corre…..
Procura no espaço etéreo esse amor que tanto tarda, mas não morre!

Um beijinho,

João Murty

José João Murti... Este teu poema é letre de música, quando se lê parece já cantando.

Lindo!

Beijos!

José João Murti...Estou  cansada de percorrer!

Este caminho deserto que tanto faz-me sofrer.

 Estou descalço, andando à pé sem direção...

Esse amor está tranquilo voando de avião.

É duro não?

João Murti... Com uma estrela cadente eu  não posso voar...

Ela é muito rápida e eu sou devagar.

Podendo aborrecer comigo soltando-me em qualquer lugar.

Beijinhos!

Lua... Luar...

Vale sempre a pena tentar contar as estrelas

são elas que faz a vida ter um pouco de magia

ronilda davidio... Que saudade de você! Aqui na poesiafanclube é claro! Obrigada pelo comentário!

Abraços!!!

Olá prezada Madalena, parabéns pelo belo poema versado com maestria. sds poéticas

Paulo de Jesus... Deus o abençoe pelo comentário! Fiquei feliz com  com sua visita!

Abraços!

Meus amigos(as) vocês são minha inspiração... Minha alegria e minha poesia!

Abraços!

 

Ficou difícil; contar estrelas, ninguém conta...

Contar a areia do mar, também ninguém conta...

Eu buscar o infinito  para dar-te; também não posso...

O poema dificultou, mas eu sei te amar sem precisar...

O infinito buscar! Vem que têm! Olha, quem fala?

É  um Zé ninguém!!!

Acho que sou uma estrela  cadente! sad

Fiquei sem minha luz resplandecente!

Só se Ele; abraçar-me novamente!

Quando passa o seu rasto deixa luz e amor nos corações solitários enegrecidos pela dor!

És a verdadeira amiga de luz.



Bem-haja, um beijo!

 

José João...Que lindo! Então quero estar sempre à voar pelo universo...

Levando luz e amor ao coração disperso, submerso na dor; passo e deixo uma flor!

Abraços!

José João Murti... Você disse que sou  estrela cadente

Que levo luz à muita gente... Gostei disso que você sente!

Abraços!

Bem haja!!!

Coração rubro de calor,
Na sua batida cadente
Vibrando em doce amor,
Pulsa em sangue quente
Vida e razão emocionada
Num querer que marca
Uma esperança ardente
Que se rompe pela madrugada
No amor que dá e tem pela frente.

José João Murti...Que bênção ter você! Dá uma alegria em viver!

Que lindo e gratificante o que deixaste aqui escrito!

Tu és bendito!

Bem haja!

Bijinhos! Tudo ponto de exclamação, porque é pura emoção!