Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Fantasia

Sabe Aquele Guri?

Sabe aquele guri que gritou o seu nome, aquela vez?...
Aquele guri que você olhou, ignorou e seguiu em frente?
Aquele guri seguiu em frente também
Sem apelar mais nenhuma vez.
Estudou as rosas, leu os livros e se livrou das modas...
Escalou os prédios, amou, comeu, morreu e renasceu.
Sabe aquele guri?
Aquele guri não sou mais eu!...
 
06 . 08 . 2014

Ideoma

Ideoma
Isso mesmo, não existe.
Mas ideoma é agora uma palavra triste.
Não existe não existe...
Vira a noite.
Ideoma vira a noite.
Postulante
Eruptivo. 
Ideoma eletrizante!
 
Bocas da moda!
Bocas da corda
Ideoma agora é ideia
Ideoma é objetivo!
Ideoma é nome de livro!
Ideoma vive por isso...
 
Também! Vai entender essas histórias da vida.
 

FRAGMENTOS - ALQUIMIA IV

FRAGMENTOS - ALQUIMIA - IV

Alopatia da cura, nos segredos do universo.
Transgride o tempo da harmonia,
aos astros me exponho,
na alucinante viagem do verso.
Rasgam-se as estrelas, faz-se dia,
meus fragmentos de sonho,
varrem-se nas memórias,
apagando a chama.
Na palavra se segrega a voz,
do lamento da tua queixa,
selando de mármore e fogo
os elos da ignomínia de quem ama,
perpetuando no infinito o jogo,
que tudo almeja e nada deixa.

FRAGMENTOS - ALQUIMIA II

FRAGMENTOS - ALQUIMIA - II

Batem asas de anjos nos meus ouvidos,
sinto na minha pele
o aroma do teu perfume.
Sinto na minha,
a tua boca rosa de lume,
estrebuchando a alma,
despertando os sentidos.

Transformo os sonhos
de tormentos e dor,
reinvento-te por entre o tempo perdido,
apagando o fogo,
em lagrimas de amor,
moldando o meu desejo ao imaginário
dou-te a forma do caminho percorrido.

FRAGMENTOS - ALQUIMIA I

FRAGMENTOS - ALQUIMIA - I

Corro em volta do pensamento,
porfiando um amor
que em mim se fechou.
E nele ecoam as vozes
que o tempo calou,
afogadas na mordaça
do pântano do lamento.

Por águas paradas,
turvas em cinzenta espuma,
um derradeiro olhar
por entre tumultos,
percorro o pântano sem te achar,
na espiral de vultos
que levitam na bruma.

Cerre os olhos pelo tempo fora,
sabendo que vou te encontrar,
aqui, ou ali em alguma hora,
hoje, amanhã em qualquer lugar.

FRAGMENTOS - NOITE DE ESPIRITOS II

FRAGMENTOS - NOITE DE ESPIRITOS - II

Onde estás? Por céu, por mar e terra de procuro
porque me abandonaste e me enches de solidão
só apenas me resta as tuas histórias de perjuro
e o bruar do eco da voz, que ecoa na imensidão
uma voz doida, que chora, que grita, que clama
rouca e fraca, por chamar por quem ama.

Pages