Fantasia

Alma embriagada

 

“ Alma embriagada…”

Delineie a vida, encarcerado na sombra,

Bebendo o desconforto, de uma mente exorcizada,

Arrancada da Alma, num momento errante,

Que trespassa o tempo no cosmos,

No meu olhar distanciado…

Anseio no ego, a utopia da paz,

Na morte elaborada,

E, de uma forma desconhecida,

Tento sair sem mais nada,

Retorno

 

“ Retorno…”

Anestesiei a mente, deixei o ego na alma,

E num surto de raiva, escondi o ódio na dor,

Criei um espaço cá dentro, tranquei-me, fui por aí,

Caminhei no sentido, procurei por mim,

E no vazio que me resta, tombam a alma e o espirito,

Tapam-me na noite indigesta,

No gelo que teima em dormir,

Negam o sono tranquilo,

Pensamento que voa

 

“ Pensamento que voa…”

 

Solto, tão leve e transparente,

No intuito, ou na consciência,

Na vontade, ou no arrependimento,

Tu, que vives fora e dentro,

Não dormes por um momento,

Existes no infinito,

Danças em rodopios, que na alma ficam para sempre,

Rasgas olhares que não vêem,

Entras, sais, por um momento,

Viajante

 

“ Viajante…”

Como seguir, sem as estrelas, nuas…

Despidas do cosmos presente,

Na imensidão constante,

Na profundidade e incerteza…

Onde me coloco? Em que ponto?

No presente, no instante, na existência do espaço,

Na impotência, na ignorância, na crueldade,

Na eloquência…

Na inexactidão do espaço,

Pages