Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Fantasia

É DE VERA OU DEVERAS...?

É DE VERA OU DEVERAS...?
 
No mundo  além do que eu vivo
Tudo tem significado
Sem significância
Quando o que você tenta explicar
É insignificante
Quanto mais você se explica
Mais se complica
Quando quiser mostrar a verdade
É só ser verdadeiro
Não precisa sair por aí se mostrando
A verdade quando é mostrada
Deixa de ser um sujeito
Pra ser predicado, complemento
Da verossimilhança da verdade
que se quer mostrar
A mentira está estampada na cara
Nem precisa ser descarado pra ser

CORES E SABORES

CORES  E  SABORES 
 
.Beijo a boca que me beija
Mordo a língua que me in_língua (invade)
Sorvo a saliva gota a gota
Bebo você de canudinho
Bem devagar...degustando
Cada pedaço...cada sabor
Que tem o gosto do nosso desejo
O tamanho da vontade
De inspirar sem expirar
Também sem esperar
 
Não economizo nada
Nem no beijo
Nem  no desejo
De também ser beijada
De também ser lambida
Quem sabe viro um sorvete
Pra sorver sua língua com a minha
Pra você não ficar à míngua

Quantum

Por que devo eu esquecer-te?

Por que devo eu esperar-te?

Não sou a criatura que tu desejas

Tampouco o sonho que tu engendras.

Sou fruto das iniquidades

Das incertezas humanas. 

Sou fruto do meu próprio ser.

E o desenho do teu sorriso,

Hoje ensejo.

Amanhã, nada sei, apenas desejo

Que as ondas não levem esse lindo lampejo

A energia de que preciso,

Ai está!

O teu sorriso,

E o meu riso,

Não podem mais se separar.

Dá-me a energia! 

 

Sonho

Sendo intenso e imaginário

Algo de bom que nos faz suspirar

Vagueia pela nossa mente

Enquanto estamos num sono profundo

E mais nada à volta há para o estragar

 

Por vezes é bom, outras vezes mau

Mas prolonguemos antes o bom

Vamo-nos deixar viver nele enquanto existe

Mar

O seu infinito azul com tons esverdeados, que está sempre em movimento, mas só no extenso areal se desencadeiam as ondas, umas atrás das outras.

O som relaxante que se ouve quando a água bate nos rochedos, ou mesmo quando paira aquele grandioso e magnífico ambiente tão natural.

As múltiplas espécies de seres que nele têm o seu habitat e que desde o seu nascimento ali vão crescendo e desenvolvendo, alimentando-se uns dos outros para garantirem a sua sobrevivência.

Caminhos

Desde pequenos que vemos a vida passar como o folhear de um livro. São tantos os momentos, as aventuras que nos marcam e as quais juntamos ao álbum "recordar".

Olhamos a cronologia da vida e percebemos que passou num ápice, como se nem a víssemos.

Guardiões do tempo

GUARDIÕES DO TEMPO

Tu és o guardião do tempo,
Cobres ao meu lado esses gritos
De estandarte ao vento,
Lanças a ponte entre nós e a tormenta
No teu relógio sem horas profanas
A mágica alquimia dos ritos
Soam como um lamento expirado
Ronronando na tarde pardacenta.

Pages