Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Geral

Porto

As conversas que mantenho comigo

Representam o meu porto de abrigo.

Os meus pensamentos são como naus

Que fogem do mar e encontram calhaus.

 

Há naufrágios que sentem o fundo

Sem terem visto metade do mundo,

E outros navios vivem amarrados

Em sargaços com seus rumos salgados.

 

Se o encontro das partes separadas

É alegria nas palavras faladas,

A espera pelos momentos conjuntos

Celebra-se até mesmo sem assuntos.

 

As conversas que mantenho comigo

Fotografia

O difícil de se fazer poesia
É ser tudo fácil em excesso,
Que antes de ser já existia
Em mim, juro e confesso.

Existe onde penso e sinto,
Aparece no papel escrito,
Como mapa dum labirinto
Innito que parece finito.

Sou assim e deixo-me cair
Nesta tentação que tenho,
A loucura que há por sentir
A arquitetura do engenho.

Por isso escrevo este relevo
Que tenho na alma exposto,
Faço o que posso e que devo
Na fotografia do meu rosto.

Para escrever livros não é preciso ser escritor

Os escritores são iguais a toda a gente,
Têm uma profissão como tantas pessoas,
Ser escritor tem que ver com ser diferente,
Ou, pelo menos, ser viajante nas proas.

Poetas que escrevem fazem alexandrinos,
Fazem a métrica toda, se for preciso,
Com tantas personagens, com mais figurinos,
E a conclusão do verso é sempre um paraíso.

Escrever livros? É muito fácil fazê-lo.
Pode fazê-lo qualquer pessoa, e pronto.
Às vezes, fazem loucos, puxam o cabelo,
E nunca nada finaliza com um ponto.

A linguagem mata a verdade

O pensamento se perde pela linguagem
As sentenças mais joviais apodrecem
É como a passagem da infância
Para a feição adulta da vigilância:
Olhando todo o detalhe ligeiro.
É racional, mas esquece o primeiro 
Sentimento puro do momento.
Enunciados são caixões da verdade,
Palavras, catacumbas da triste saudade.

Engenheiro

Maquinário das emoções, 
Sob domínio de seu engenho, 
Ele dá passo a passo
A cerimônia de suas afeições.
Liturgicamente célebre em controle,
Em ritual sem deidades e padres;
Blasfemando contra sua natureza: 
Cérberos latem contra a alma.
Não sente nada que não deseja,
A não ser a mordida da vontade 
Que pereça: rasga suas veias
Porque não suporta sentir.
 
A cada ocorrido fúnebre,

Palhaço

Minha sombra clareia a escuridão
As luzes do palco focam em mim
O show do palhaço mentiroso
Por baixos dos panos está a verdade
Literalmente atrás das cortinas
O malfeitor de todos guerreiros.

Não tente decifrar este enigma
O aparato cognitivo te impede
A sensibilidade está acima da razão
Quem é o palhaço? Qual é a verdade?
Minhas ideias são caixas de metonímias:
Secretamente fechadas em paradoxos
De metáforas indulgentes.

Pages