Aforismo

A rebate!

A rebate tocam

Tocam a rebate:

Como se fosse aflição

Como se fosse necessidade

Porque em cada badalada

Outro embate

Ou batida do coração

Como se fosse fibrilhação

descompassada:

Num rebate aflito

em notas que se baralham

Sem outra medição

A rebate

com velocidade

Pela missa, devoção!

Pelo sopro de um apito

Ou força da comoção

Como se os sinos estivessem no lugar do coração?

Palavra

Ser palavra é ter significado!

É ser maior que as letras

mesmo juntas, uma a uma, com amor:

Ou como ondas de um mar mais que salgado

em vagas abertas

deliciosas ao sabor.

Ser palavra é ter mais no interior

Mesmo que sejam letras de dor

Ou outros modos de predicado.

Obra do poeta que não deixa sozinhas as letras

Nem o branco do papel de lado

Marcando cada rima escrita com fervor.

Pescando cada verso com um jeito já usado.

colonizou a si mesmo

O Batel vem deslizando em águas mansas divide a espuma branca no breve chuá, onde a brisa Mansa me Remansa   e se faz sonhar.

Chego de olhos vermelhos lagar para colonizar minha própria terra onde nasci e vivo a remar.

 No poente ainda que escuro sol velam por nós em âmbito igual mesmo que casuais estrelas cativas que giram pelo poder de uma estrela colossal.

A gloria do poema

A glória do ferido

Arames oníricos tecem minha coroa de espinho paranoide, eu achava que iria unir o céu e a terra, só me restou a sorte.

Farpas afiadas saem de olhares sem consideração, minha boca cospe balas de prata que acerta o vampiro chauvinista.

Grande mar de solidão olhares invernam minha alma, carrego Cruz Rubra de sangue Cruzado escorre nele lâminas que reflete pernas pornográficas. Tragam-me a cabeça de João Batista. A glória do ferido.

 

Nubígeno

Nubígeno que vem das nuvens,
estrigar macio e sedoso;
Da aritmomancia que adivinha o número,
através da oomancia!
 
Ponxirão de mutirão,
urente queima.
Produzindo ardor, sandeu;
 
Tolo, estúpido, idiota;
um verdadeiro treboçu!
 
Quando desanima-se apela ao zumbaieiro;
Onicofagia que rói teus próprios sonhos!
 
(ARCHANGELO, A. Ápeiron, 2019, Ed. Buriti, 1ª Edição)
 

Pages