o cais sereno

o fantasista atravessa o sustento para verter os delírios que o acalentam nos socalcos da bestialidade com traumatismos que exterioriza em místicos desempenhos pela garganta das reflexões.

Género: