Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer partcipar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Intervenção

SELETIVA

 

SEMPRE
VEJO nitidamente
LEIO atentamente
PENSO claramente
FALO fluentemente
OIÇO perfeitamente
ESCREVO detalhadamente
AQUILO QUE ME INTERESSA
O QUE NÃO ME INTERESSA
NÃO SUPORTO ouvir
NÃO OUSO pensar
NÃO CONSIGO ler
NÃO SEI escrever
NÃO POSSO falar
NÃO QUERO ver
NUNCA
 

SENTIDOS

Olhares

Sedução

Encontro

Paixão

 

Furtivos.

 

Olhares

Toque

Beijos

Choque.

 

Contidos

 

Olhares

Amor...

Não

 

Sentidos

 

                                                                                        silute

                                                                               12/10/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

as portas que Abril abriu

As portas que abril abriu,
Aos poucos vão-se fechando.
O que em Abril se aplaudiu,
Agora se vai chorando
E o povo que foi unido
E jamais seria vencido,
É povo que que rescindiu
É povo que vai deixando
Amordaçar-lhe os direitos
Legados pelos capitães,
Aos seus pais e suas mães.

O soldado, o capitão,
Na tumba estão revoltos,
Os plebeus têm na mão
Os votos em papeis soltos,
Votam alegres, absortos
No partido do patrão.

Confinamento

 

Eu não sei que leis são estas

Que te põe em confinamento

E te podem levar a pensar

Que andar a passear

Não ficar em isolamento

É coisa para andar em festas

É para ficar em casa.

Não saias a bater asa!

 

Eu não sei que leis são estas

Que te põe em quarentena

E pensas que podes estar

Continuamos em casa

Começamos a ficar saturados

Com a história do confinamento,

Mas será que é este o momento

De espairecer para todos os lados?

Cientistas, matemáticos e opinadores

Trazem certezas e lançam rumores!

Vamos pensar em deixar a casa,

Mas não sair para bater asa!

 

Baixa o número de infetados

O R vai para setenta por cento

Mas será que é o momento

Para deixar de ter cuidados?

Olha que os cuidados intensivos

Ainda tem números agressivos!

Vamos pensar em deixar a casa,

Poema a favor do Confinamento COVID

 

Não importa se vives sozinho

Com família, amiga ou amigo

Não importa se bebes vinho

Se estás bem ou mal contigo

E não saias por aí a bater asa

Respeita dos outros a vontade

De ter saúde e vida de qualidade

Importa é que fiques em casa!

 

Não importa a idade que tens

Com quem ou para onde vais

Pages