Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Intervenção

SELETIVA

 

SEMPRE
VEJO nitidamente
LEIO atentamente
PENSO claramente
FALO fluentemente
OIÇO perfeitamente
ESCREVO detalhadamente
AQUILO QUE ME INTERESSA
O QUE NÃO ME INTERESSA
NÃO SUPORTO ouvir
NÃO OUSO pensar
NÃO CONSIGO ler
NÃO SEI escrever
NÃO POSSO falar
NÃO QUERO ver
NUNCA
 

SENTIDOS

Olhares

Sedução

Encontro

Paixão

 

Furtivos.

 

Olhares

Toque

Beijos

Choque.

 

Contidos

 

Olhares

Amor...

Não

 

Sentidos

 

                                                                                        silute

                                                                               12/10/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ativismo: Coração em ação!

Vai o coração até à praça pública

Com os sonhos de um rapaz

Não vai de forma lúdica

Nem leva tudo atrás

 

O coração grita na manifestação

Ama a luta por novos direitos

Ou direitos perdidos por distração

Assim se fazem grandes feitos

 

Enquanto se ama, o ódio inflama

Enquanto se luta, o ódio não vence

Vida humana

A vida humana trasanda a falsidade

Como quem trasanda a ópio

Que distorce a verdade

Daqueles que são cegos ao óbvio,

Drogados numa crença 

São a sociedade critica 

Que vai atirar a primeira pedra.

 

Ter uma solução,

é como ter um bem sagrado ou precioso.

Num universo paralelo 

Onde os deuses se davam 

Com os homens e os homens

Não eram castigados pelo que pensavam

Havia respeito pelas suas ordens.

 

Palavras de línguas perdidas que os clérigos

CO2 / O2

 

 

 

o ar rarefeito

em nossos pulmões

exige  / suplica

o oxigênio puro

-diluído no gás carbônico-

de um jeito asfixiante

pois ele não é suficiente

para purificar

toda a atmosfera

de forma relevante

por ser ar suspeito  / rarefeito

ar e fuligem ao mesmo tempo...

 

já é hora de se despertar

e fazer algo urgente

para que se respire

de maneira decente

segura / isenta / pura

o ar que nos respira também

 

 

 

 

 

as portas que Abril abriu

As portas que abril abriu,
Aos poucos vão-se fechando.
O que em Abril se aplaudiu,
Agora se vai chorando
E o povo que foi unido
E jamais seria vencido,
É povo que que rescindiu
É povo que vai deixando
Amordaçar-lhe os direitos
Legados pelos capitães,
Aos seus pais e suas mães.

O soldado, o capitão,
Na tumba estão revoltos,
Os plebeus têm na mão
Os votos em papeis soltos,
Votam alegres, absortos
No partido do patrão.

Confinamento

 

Eu não sei que leis são estas

Que te põe em confinamento

E te podem levar a pensar

Que andar a passear

Não ficar em isolamento

É coisa para andar em festas

É para ficar em casa.

Não saias a bater asa!

 

Eu não sei que leis são estas

Que te põe em quarentena

E pensas que podes estar

Pages