Geral

EU DE MIM...

Sou arrimo de mim,

Detetive dos meus passos,

Confidente de minhas inconstâncias.

 

Sou namorado da solidão,

Amante da saudade,

Filho do sexo...

 

Sou minha própria religião,

Crítico dos meus ideais,

Político de minhas atitudes...

 

Sou um complexo de paradigmas,

Um enunciado de sintagmas,

Semente do meu juízo...

 

Sou o que sou... Só...

Entre ser e estar... apenas estou!

 

 

Vaso oco do tempo

Vaso oco do tempo

Dono de todas as cores

Morto de sentimento

               

Abarrotado do nada

Enferruja caminhos

Desmorona estrada

 

Vaso fundo do tempo

Mestre da lembrança

Aprendiz na distância

 

Rígido com as horas

Rico de histórias

Rouco de memória

 

Vaso fino do tempo

Intransferível

Insubstituível

Indefinível.

 

Enide Santos 06/01/15

MORFINA

poros
transpiração
 
as veias latem
as artérias latem
 
o senhor dos sonhos comanda
 
nulidade
 
sinto a sua presença
 
rejeição
 
realidade cruel
que habita nos meus olhos
 
a toxicidade é viciante
o vicio é... sufocante

Expectativa

 
Não gosto da expectativa,
enaltece o patamar para o divino,
mas divino nunca o poderá ser.
Nem sabemos o que divino é.
 
É a ilusão mais subjectiva,
graxa em sapato sem brilho,
brilho que irá desaparecer,
porque no fundo nem brilho é.
 
Sou um conjunto de tentativas,
de falhanços de meu próprio ensino,
ensino que faz amadurecer
como grão torrado tornado café.
 

Calçada

Vejo tão pouco nesta luz sépia que perfuma a rua com o seu toque antiquado,
Apenas o fumo denso que circula lentamente à minha volta,
Como se não houvesse vento, ou sequer uma brisa,
O tráfego condicionado numa auto-estrada congestionada…
Mas não importa,
Os olhos escolhem a escuridão,
Os ouvidos preferem o jazz de um saxofone tocado pela figura tão solitária quanto eu
Sentada à varanda.
Sobre a calçada suja, não me sinto deitado
Não me sinto sequer…
Apenas esse som suave que me adormece
Entre tragos de álcool quente

QUANDO A FIGURA SE ESTAMPA NA TELA

 

QUANDO A FIGURA SE ESTAMPA NA TELA,

MATÉRIA PRIMA DO TEMPO...

AS CORES DAS TINTAS TANTAS!

REFAZEM A HISTÓRIA DA FORMA 

E SURGEM COMO UM NOVO TEATRO

ONDE HÁ DANÇAS DE LIBERDADE

QUE AS PALAVRAS IGNORAM

QUE AS IDEIAS APONTAM

E DESCONGELAM VERDADES

DO SER...

 

 

 

 

A Imperfeição de Deus

A Imperfeição de Deus

Há um novo dia que está por vir, não é só mais um dia que amanhecerá, é um dia definitivo, transplantador de discernimento nas pessoas. As pessoas vão parar de se agredir, se estranhar, de separarem-se por fronteiras, credos, raças, cor, etnias, ideologias. É um dia que está por vir. É o dia dos humanos, o dia da paz.

alucinação

Passa-se num quarto
luz ténue
velhos livros empoeirados
o cigarro queima-me a ponta dos dedos
nos meus ouvidos, um leve melodia
um telefone toca
saio
andei por aí
a prostituta olhou-me
tremo de frio
uma cabana
recordo o passado, ainda presente
passei por tua casa para te ver
tinhas saído
ocultas-te dos convidados
mas eu sou teu amigo
os meus olhos
perturbam-te

Pages