Concursos

  Quer publicar o seu livro de Poesia? Clique aqui.

  Quer participar nas nossas Antologias? Clique aqui.

Acróstico

obrigado

Obrigo-me como cedendo a agradecer
Brincando por vezes, mas sempre por querer,
Rindo e sorrindo, com as mãos e tudo
Investindo em palavras com inteiro sentido,
Gostando ou não, talvez um pouco mudo!
Aliás o silêncio é sempre assumido
Diz tanto, mesmo sem nada dizer
Outras vezes dizendo tudo!

trabalhador

Trava a vida como que a trabalhar

Regendo-se por sois e luas

Ansiando por descansar

Buscando,por vezes, o prazer nas ruas

Aviando-se com o que puder comprar

Lutando as dores nas costas nuas

Hoje, amanhã e até a semana findar

Angustiando-se pelas necessidades que não são só suas

Demasiadas para um dinheiro sempre a acabar

Ouvindo gritos de preces, palavras cruas!

Revolvidas numa terra por lavrar

símbolos

Simples símbolos surpreendentes

Instigam a compreensões

Marcam outras tantas definições

Balizam indevidamente todas as mentes

Obrigando a seguir alheias tentações

Libertam por vezes apreensões,

Oprimidas em traços eloquentes

Significando tudo o que temos nos corações,

 

primavera

Parece chegar toda triunfante,
Rompendo nuvens que pareciam espessas,
Impondo todas as suas cores,
Mescla de paleta estimulante:
Adágio de aromas, flores e coisas dessas,
Vendaval de novos e antigos amores
Escrita sem ponta de desafiante,
Rimas espelhando as pressas,
Alegada ausência de valores!

Inverno

Insistente martelada em bátega

Nebulosa que cobre molhada,

Voltou quando ninguém esperava,

Escravizando o bom tempo que assim não chega,

Respeito é trovoada:

Não veio hoje, era só o que faltava!

Ocultado fica o sol,espera melhor alvorada!

significado?

Sem querer dizer nada

Ignorante sem sentido,

Gostava de uma trovoada,

Ninguém com ouvido,

Invento língua desbocada,

Firmando-a aqui como extrovertido,

Iludindo como gargalhada

 calha que ninguém fique ressentido

Anseio por palavra rimada

Dou tudo até ficar rendido,

Obrigando-me a uma caminhada

 

Muito Obrigado

Meu amigo

Uma, entre tantas festas

Inscrevo, eternamente, as nossas ligações

Trazendo-te sempre comigo

Orgulhosamente, e sem qualquer castigo

Ofereço-te estas

Breves

Recordações

Inscritas em mim, como arestas

Gravadas como histórias leves,

Adorações,

Designo-as, desde já, como modestas,

Pages